quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Poema de Quase-Amor


"E porque quando você me abraça
O mundo gira devagar"




Deixa eu te invadir?
É, sei que não é pedido que se faça.
Mas eu preciso, eu não posso mais
Ver-te assim me aflige tanto
Eu preciso te resgatar
Só não sei como

Vem cá, me dá um abraço
Invada a mim também
Não precisa temer, aqui ninguém te fere
E se isso acontecer, fique à vontade pra fazer o mesmo
Aqui não há palavras que machucam
Mas se te ferirem, finja surdez
E saiba que não foi a intenção
Eu te acolho
Vem, sinta-se em casa, é meu colo
Esconda-se aqui onde não há perigo
E eu te protejo com minha vontade
Olhe nos meus olhos
Veja como te quero

Não precisa temer
Não te cobrarei um depois
Porque eu te quero agora
Deixa eu te resgatar dessa solidão
Deixa eu te tirar dessa escuridão
Que só te corrói

Sabe o que é amar?
É arder de desejo por um beijo
mas contentar-se com um sorriso.
Sorria pra mim
Eu contento-me em invadir você
Com aqueles abraços que tentam fazer
dois corpos se tornarem um só
Sempre fracassados
Impossível dois em um
Mas insistimos nisso como dizer que existem almas gêmeas
Que mesmo sendo gêmeas, são duas
Não tem como ser um dividido em dois
Não tem como eu invadir você da maneira como desejo
Mas me contento com seu sorriso

Sorria pra mim
Mesmo que seja a última vez
Sorria pra mim
Mesmo que seja sorriso por outro
Sorria pra mim
Porque seu sorriso
É o que me faz também sorrir
******
Esse escrevi junto com o Darlan.
Nunca tinha escrito nada em conjunto.
Gostei :)

4 comentários:

Darlan disse...

Eu adorei o resultado, cara! Muito bom! Queessa parceria seja a primeira de muitas!!! =)

TEZ disse...

Ficou bem massa...não pára de escrever...
;***

rubia disse...

muito bonito!

juliana disse...

adorei muito parabes