sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Grito

Tem um grito aqui dentro. Seco, ensurdecedor. Um grito sufocado, preso e incômodo, que me tira o sono, que me faz perder a fome e a sede. Que me faz silenciar. Que me faz calar e engolir esse desespero que insiste em querer sair. Mas tenho medo de causar espanto. Guardo esse som estridente como guarda-se o mais absoluto dos segredos. Escondo a dor. Disfarço as feridas. Porque o mundo acostumou-se com aparências. Porque somos podres mas preferimos achar tudo lindo e perfeito, quando todos sabem que basta um sopro leve e tudo desaba. Mas não vou gritar. A aparência é o que restou, e sem ela, isso vira um pandemônio. É necessário que a hipocrisia grite para sufocar os desesperos e sustentar a ordem. Ainda que esta seja a maior das loucuras.

4 comentários:

Paulinho disse...

Nos censuramos. Por que? Talvez seja melhor, neh?!
Ou seria melhor gritar até o pulmão esquerdo cansar?!

Ótimo texto dérson!

Escriba Eventual disse...

Vc gritou...através do silêncio da escrita. Mas, talvez vc quisesse gritar para pessoas que não acessam o blog...acertei?
Se você quiser falar algo, por mais difícil que seja, fale. Pode ser que isso provoque revoluções, mas creio que seja melhor do que a angústia de sofrer calado.

Darlan disse...

É um texto dolorido, um desabafo tão grande que não tenho o que dizer. Acho que o silêncio é o que fica depois de lê-lo.

TEZ disse...

Como eu queria ser hipócrita,fria,fingir ser intocável para q o mundo pensasse que sou uma fortaleza,mas ao contrário disso cometo loucuras e me deixo levar pelos desejos...explicito a minha dor para qualquer poste numa rua vazia e quem me vê assim tão caída,me vê ridiculamente maltrapilha...Preciso aprender a me conter,não é amigo?